Mendoza – Vinícolas Lujan de Cuyo

pulenta7

Quem ainda não teve o prazer de visitar Mendoza na Argentina, não sabe o que está perdendo. O centro da cidade é uma graça, estilo cidade pequena mesmo, com muitas árvores e se você for no outono, elas estarão com uma linda tonalidade amarelada! Além disso, os arredores da cidade são contemplados por essa bela visão da Cordilheira dos Andes.. Tem cenário mais romântico que isso? Se você pretende vir de Santiago, confira o meu relato da travessia pelos Andes aqui. O principal foco turístico da cidade são as Vinícolas, numerosas por lá devido ao clima e geografia da cidade, o que proporciona ótimas condições para excelentes vinhos. As vinícolas estão em três regiões da cidade: Lujan de Cuyo, Maipú e Valle de Uco. Eu só visitei as duas primeiras, e nesse primeiro post vou falar sobre as vinícolas de Lujan de Cuyo. Ah, para quem se interessar, eu fiquei hospedada no Hostel Suites Mendoza e usei os serviços do Nossa Mendoza para nos levar nas vinícolas. Não esqueça de reservar com um mês de antecedência as visitas e almoços nas vinícolas!

Vinícolas de Lujan de Cuyo

Dizem que a região mais próxima das cordilheiras, e por consequência, com a vista mais bonita, é a Valle de Uco. Eu não visitei, então não posso dar o meu relato, mas posso dizer que as vinícolas de Lujan de Cuyo também tem uma linda vista das cordilheiras! Lá eu visitei a Norton, a Pulenta Estate e a Chandon, onde também almocei.

Norton

sts-nortonFoi a primeira vinícola que visitamos e recomendo muito que a façam antes das outras. Assim que chegamos demos de cara com essa linda vista das cordilheiras, fiquei encantada! Em seguida fomos recepcionados com uma taça de espumante para cada, muitos pontos para a Norton!!! Éramos só eu e o meu namorado para a visita, então foi praticamente um tour particular! A Norton é uma vinícola industrial, mas não foi sempre assim.. O nosso guia nos explicou que um inglês chamado Norton chegou em Mendoza em 1895 trazendo vinhas da França  e fundou a bodega (vinícola em espanhol) no local por onde passava um trem que ligava Mendoza ao Chile. Esse trem foi fundamental para o crescimento da Norton já que ali era a parada dele e onde todos os passageiros podiam desfrutar do vinho. Quando a sua filha casou, Norton a presenteou com hectares dessa terra, tornando a bodega uma vinícola familiar. Assim permaneceu até a sua morte, quando foi comprado por um empresário. Hoje a Norton pertence ao grupo Swarovski’s, o mesmo dos cristais. Lá nós pudemos degustar o vinho em seus diferentes estágios de produção, o primeiro que provamos foi o vinho jovem direto do tanque de fermentação (onde já está pronto para beber, mas não para vender), depois degustamos o mesmo vinho que estava em um barril de carvalho e por último o vinho que já estava pronto para ser vendido. Eu adorei a visita a Norton por explicar muito bem todo o processo de como fazer um vinho, a casa é muito grande e antiga, recomento!

Pulenta Estate

sts-pulentaA Pulenta Estate é uma visita bem diferente da Norton, ela não conta tanto a história da casa, é bem mais rápida. A primeira degustação que fizemos foi com um vinho branco na varanda da casa em frente a bela vista para as cordilheiras.  Depois disso a guia nos explicou sobre o processo de produção do vinho bem rapidamente e logo fomos para a sala de degustação. A vantagem aqui é que o casal pode dividir uma degustação, não precisa pagar o valor para duas pessoas, pode ser para uma apenas. A vista é muito bonita, e apesar de ter gostado dos vinhos, a visita não foi das minhas favoritas já que adoro ouvir a história do lugar e como tudo começou.

Chandon

sts-chandonEu estava doida para visitar a vinícola Chandon, era a única que eu tinha certeza que queria conhecer, mas ao contrário do que eu pensava, os espumantes da Chandon de Mendoza não são enviados para o Brasil. O que é produzido lá é para a Argentina e alguns outros países, mas os espumantes Chandon do Brasil são feitos no Rio Grande do Sul e somente para mercado nacional, isso é feito para não gerar competição entre as duas fábricas. A visita começa passando por alguns vinhedos plantados ali para servirem como exemplo e com a explicação de quais uvas são usadas nos espumantes, em seguida é apresentado um vídeo contando a história da Chandon e depois passa-se pelos tanques de fermentação. Se puder, faça a visita antes do almoço, será melhor aproveitada! sts-chandonalmocoEsse almoço da Chandon foi maravilhoso e regado com MUITO espumante! Primeiro de tudo, lembre-se que o restaurante é pequeno e você precisa reservar com uma certa antecedência, mas vale a pena! Assim que você chega, te servem espumantes e pães com azeite, todos ótimos! O menu muda de acordo com a época do ano e o que comemos foi: 1º: Gazpacho com Almôndegas de Polvo, 2º: Garganta de Boi Empanada com Queijo Derretido e Tomate Ressecado, 3º: Medalhão de Carne de Boi (esqueci o que vinha acompanhado) e 4º: Torta de Frutas com Sorvete Caseiro de Laranja. Estava tudo muito gostoso, vale muito a pena o almoço lá!

NEWSLETTER1-3

Anúncios

9 comentários sobre “Mendoza – Vinícolas Lujan de Cuyo

    • Oi Rose, muito obrigada pelo comentário! Mas vocês não bebem nada ou não curtem vinho? Meu namorado também não gosta de vinho, mas ele adorou lá pois conheceu todo o processo de fabricação de vinho que é bem interessante (e acabou provando os vinhos na degustação para conhecer). Também fomos em uma olivícola para conhecer o processo de fabricação de azeite. Outros passeios a partir de Mendoza são: Alta Montaña (passeio de dia inteiro onde você visita a maior montanha da região e dizem que é muito bonito, mas eu não quis fazer pois fui de ônibus de Santiago pra Mendoza e já tinha visto muita montanha rs) e também tem as Termas de Aconchaguá que eu também não fiz, mas é um passeio de dia inteiro em que você passa o dia em piscinas naturais de água quente no meio da montanha, incrível né! Ainda tem banho de lama e uma vista linda. Eu adorei Mendoza, achei a cidade linda e as vinícolas também são super legais, com vistas maravilhosas da montanha. Dizer que compensa ou não visitar, é uma decisão muito pessoal, lá o principal turismo é o de vinho, se vocês quiserem conhecer as vinícolas mesmo sem beber, vale sim! Mas se vocês não quiserem ir em vinícola, não acho que valeria tão a pena. De qualquer jeito, segunda que vem vai ter outro post sobre Mendoza, pesquise bastante antes de decidir! Bjs

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s